*NOTA DO LUTA POPULAR DE SP

SOBRE AS MANIFESTAÇÕES DE RUA!*

No último domingo, dia 7 de junho, o Luta Popular de São Paulo se somou ao ato que rolou no Largo da Batata. O ato foi muito bonito, forte, e vitorioso! Fomos pra lá pra dizer que precisamos por pra fora Bolsonaro, Mourão e toda sua tropa, chega de matança do povo pobre, preto, morador das ocupações e periferias, e que exigimos quarentena de verdade pra todo mundo porque nossas vidas importam!

Houve toda uma polêmica sobre se era certo ou não ir ao ato, por conta dos riscos da aglomeração. E é correta a preocupação com o risco do coronavírus já que no Brasil não para de crescer o número de infectados e já somos o primeiro lugar do mundo em números de mortes diárias. E que por trás desses números estão os de sempre: trabalhadores, pobres, negros e negras.

Mas a real é que todo dia, a todo momento, vidas negras, pobres, trabalhadoras, faveladas estão tão em risco permanente! Que até agora não tiveram o direito de quarentena de verdade, que não têm condições de ficar em casa porque são forçadas a se arriscar indo trabalhar pra garantir o sustento. Além disso, o genocídio da PM não parou por causa da pandemia, e tem interrompido à bala ações de solidariedade em várias comunidades.

O risco permanente pra nós não é apenas ao ir à manifestação, mas é o risco cotidiano de simplesmente tentar sobreviver. E isso não é apenas na pandemia, é desde sempre! Nosso couro, suor, lágrimas, sangue, nossas vidas, sempre foram arrancadas para construir e fazer esse país existir e "funcionar". E tudo isso sem ter nem direito de fazer o luto por nossos mortos. Porque a nossa vida, pro sistema, não vale nada! Só pra serve garantir a riqueza e os interesses dos lucros dos de cima, nesse sistema perverso que faz com mães tenham que ouvir que a vida de seus filhos não são dignas de serem lembradas porque tinham "antecedentes criminais" (como bem disse a Gabi, da Frente Estadual pelo Desencarceramento, nesse artigo aqui: https://theintercept.com/2020/06/09/protestos-antirracistas-estatuas/).

Enquanto isso, os Estados Unidos ardem em chamas de revolta! E a indignação contra o racismo cresce mundo afora. No Brasil, nossa história é carregada pela luta do povo negro, seja quando fizemos quilombos, seja quando em cada favela ou comunidade, se queima um carro da polícia e o morro desce pra cobrar a conta de tanta morte... Invisibilizar essas lutas por aqui é também uma forma de racismo.

O que aconteceu domingo, quando milhares de jovens pretos e pobres da periferia tomaram o centro da capital é a demonstração de que negros e negras nunca pararam de se levantar! E o pavio está aceso!

Nós, do Luta Popular, seguiremos indo pras ruas porque as pessoas seguem morrendo. Não dá pra ficar em casa vendo o número de morte dos nossos aumentar e o Governador João Dória fazer a reabertura (daquilo que nunca fechou de verdade)! Não tem nenhuma justificativa aceitável pra reabrir shoppings e comércios, a não ser atender os interesses dos capitalistas!
É nosso povo que tá morrendo nos hospitais superlotados, por falta de atendimento, porque não poder ficar em casa fazendo quarentena, por ser oprimido com a violência policial, por não ter recebido os 600 reais, ou porque os 600 reais é pouco! E que vai morrer ainda mais se essa situação não for revertida! Em breve vai explodir ainda mais raiva contida há anos e anos de opressão!
Estamos cansados e não é de hoje! A pandemia só escancara mais ainda que nossa vida não vale nada. Capitalismo é morte: de pretos e pretas, pobres e trabalhadores. Por isso osso antirracismo é também anticapitalista!

🛑NÃO QUEREMOS MAIS MORRER NEM DE CORONAVÍRUS, NEM DE FOME, NEM DE BALA!🛑

E temos visto muitas experiências ricas em ousadia, coragem e organização pra reagir. Além das lutas contra as mortes da PM nas comunidades (inclusive na Ocupação Esperança, organizada pelo nosso movimento), os entregadores de aplicativo tem se rebelado contra a superexploração das empresas, e muitas ocupações reagindo firmemente a despejos que tem sido levados adiante pela justiça e a polícia de Dória em plena pandemia, justo quando a melhor orientação seria ficar em casa!)

Normalmente essas lutas são consideradas "sem organização", por grande parte da "esquerda" tradicional (inclusive uma parte dela que fala muito em democracia, mas costuma querer "tomar de conta" de mobilizações que são muito maiores e vivas que elas). Pra nós, são a demonstração de que a população negra e pobre no nosso país sempre reagiu como pôde às várias formas de violência e segue reagindo! É preciso divulgar e apoiar ativamente essas lutas, assim como estreitar relações de aliança entre os de baixo!

Mas infelizmente pra essas formas de lutas ainda falta muita solidariedade. Muitas comunidades e grupos se veem sozinhos diante da luta contra o racismo e contra o genocídio. Falta pra muita gente a compreensão do importantíssimo papel dessas lutas na luta contra o sistema! O racismo é central estruturar nosso capitalismo, e precisamos que essa visão tenha centralidade nas lutas contra o sistema. É preciso que todos os setores (e não apenas as comunidades que são vítimas dessas violências) tenham a mesma indignação que vemos nos Estados Unidos contra o caso de George Floyd com João Pedro, Ágata, Amarildo, Claudia e tantos outros! Nosso antirracismo precisa ser real e consequente com nossa realidade!!!

O antifascismo também, na medida em que iremos sim pras ruas contra o governo autoritário de Bolsonaro, já que sabemos que ficar em casa não vai fazer ele recuar de seu projeto de ditadura! Ao contrário, só a mobilização do povo na rua é que vai fazer ele ser derrotado. Tamo junto na defesa de direitos democráticos e contra as ameaças ditatoriais e fascistas de Bolsonaro, mas não vamos pra rua defender democracia! Essa democracia dos ricos é a democracia que faz com que sejamos mortos cotidianamente! Ela não nos interessa e tampouco resolve nossos problemas!

Queremos decidir os rumos da nossa sociedade entre nós, entre os de baixo, e diretamente! Sem mediação de eleição pra escolher a cada 2 anos quem irá nos explorar! Queremos construir nosso auto-governo, que cada bairro, hospital, escola, fábrica, seja um conselho popular pro povo governar. Porque só a sim será nossa vida e nosso interesse que definirá os rumos das coisas. Mas pra que isso seja possível, precisamos agora ir pra rua defender:

🛑Parar tudo que não for serviço essencial!
🛑Quarentena geral já, por 30 dias, com renda garantida, estabilidade no emprego e readmissão de quem foi demitido, pra proteger nossas vidas do coronavírus!
🛑Fim da violência policial, fim da polícia militar já, fim das mortes contra o nosso povo! Pelo direito de autodefesa!
(Que sejamos inspirados pela luta dos Estados Unidos onde está se discutindo e implementando experiências de dissolução da polícia, por uma outra forma de "segurança pública")
🛑FORA BOLSONARO, MOURÃO E SUA TROPA!

Domingo, 14h, tem ato no MASP e iremos de novo fortalecer essa mobilização! Que essa luta romper o controle que tenta sufocar nosso grito e nossa revolta, e possa se espraiar por toda a cidade e todo o país!

E todo apoio à greve do 1º de julho que está sendo convocada pelos entregadores de aplicativo!!!!

CSP CONLUTAS
logoluta2.png